O amor da minha vida
Está em todos os reflexos
Nas janelas, janelinhas
E nas poças de vômito da Asa Sul
O amor da minha vida
Aparece do nada
E eu nem pedi
Há 157 semanas
Refletido em cada pedaço
Dos meus ossos de vidro
Eu fecho os olhos
E não vejo nada
Só a certeza de que
Continuarei vomitando
As imagens onde nos vimos
E concluímos que somos lindos
Juntos
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s